A fuga da dor e a busca do prazer, de que lado você está?

A fuga da dor e a busca do prazer, de que lado você está?

Rafael Gonzaga – Coach – 98779 7080

Passamos a vida fazendo duas coisas: ou fugindo da dor ou buscando o prazer. Nietchze dizia que “tudo o que é dito é dito por alguém que, quando diz, revela quem é.” Assim, quero apresentar mostrar como a linguagem funciona quando alguém foge da dor ou busca o prazer.

Entenda por fugir da dor um movimento advindo de uma situação que a pessoa conhece, domina, mas não quer mais. Ao viver esta situação ela sente dor. E se tal dor for muito forte ela deverá sair da situação na qual está para uma outra qualquer, fugindo, assim, da dor e iludido de que assim encontrará o prazer. Na verdade, o prazer encontrado nada mais é do que a ausência da dor.

Essa pessoa contará para si uma história que servirá de justificativa:“Essa empresa não está alinhada com os meus valores.” “Meu chefe é um déspota e não merece que eu trabalhe com ele.” “Não posso mais ficar neste relacionamento. Preciso sair.” Perceba que o padrão linguístico procura frases afirmativas, sentenças cheias de certezas, pois você fala da sua visão do passado, do que você, a partir de suas crenças, conhece.

É um padrão linguístico que lhe confere ter razão e te congela no que você já conhece, te conferindo a ilusão de que tudo sabe. E conhecimento é passado. Entretanto, quando você vive uma situação que conhece, domina, mas não quer mais, há uma outra estratégia que já inicia com um novo padrão de linguagem e, previamente, com um novo padrão de pensar: “Sei o que conheço, domino e não quero. O que quero no lugar disso?” “O que eu não conheço, não domino, mas quero?” “Como posso conhecer mais sobre os valores da empresa e alinhá-los com os meus?”“Qual a minha responsabilidade pelo fato do meu chefe ser um déspota? O quando estou contribuindo para isso?” “O que posso fazer para elevar esse relacionamento para um outro nível de harmonia e contribuição?” Como o que eu já conheço é de meu domínio, eu tendo a afirmar, mas o padrão linguístico do que eu não conheço é a pergunta, aquele padrão que abre possibilidades, que me habilita a aprender e, portanto, me transforma em aprendiz. Assim, acredito que encontramos uma forma de distinguir aqueles que fogem e aqueles que buscam. Fugir enseja justificativas afirmativas; Buscar demanda perguntas provocadoras. Agora pergunto: quem você quer ser? um fugitivo ou um buscador?

TT Host
suporte@tthost.com.br